Total de visualizações de página

domingo, 30 de setembro de 2012

Paris Versailles 2012: La Grande Classique

Humm... haja coisa pra contar . . .  (rsrsrs).

Vamos para o começo: quando marcamos a viagem para a França, procuramos uma data que pudéssemos fazer uma prova, afinal, correr na Europa - ou mesmo fora do país - é uma oportunidade que não temos sempre.

E descobri, através de uma reportagem na Revista O2, essa prova, que são 10 milhas, e que, hoje, posso dizer: para quem não é maratonista, uma prova de 10 milhas é perfeita: não é curta como 10K, nem desgastante como uma Meia, e permite que possamos forçar e nos divertir ao mesmo tempo. E, olha, correr num clima como o que corremos hoje (ou mesmo em Floripa) é uma experiência fantástica - quem acompanha o Blog sabe que adoro correr no frio.

Bem, nos inscrevemos, mandamos os atestados médicos, etc., e ficamos, eu e Lorena, na expectativa da prova. Mas, após a Meia Internacional do Rio, desaceleramos os treinos por vários motivos. E, perto da viagem, um broncoespasmo me levou a tomar remédios e ser desaconselhado a fazer a prova e mesmo treinar. Tudo ruim, tudo errado (pra mim, claro). 

Mas, eu tomei os remédios, evolui bem, a tosse havia praticamente passado, e eu QUERIA MUITO fazer a prova. E quando lia no Facebook os relatos das provas do pessoal, e eu parado, me dava um desânimo e ao mesmo tempo, uma vontade de correr... mas o condicionamento estava ruim, meu último longão que deveria ser 12K, chegou a 4, quando, tossindo e com o corpo debilitado e cansado, parei.

Poxa, mas eu tenho um currículo de 2 Meias esse ano (kkkk)... não é possível que o corpo "esqueça" isso... nem possível, nem justo.

Ok, estava bem, queria correr, e confiei no corpo, treinos e musculação.

MAS: sem treinar direito há um mês, panturrilhas doloridas por causa do passeio na Champs Elysées ontem, e ladeiras de rachar.

A prova começa 10 hs, o que é ótimo, pois podemos acordar sem correria, e ao mesmo tempo o clima faz com que o sol não nos castigue. Tudo perfeito!

24.000 pessoas. 350 saindo a cada 1 minuto. "Cinq, quatre, trois, deux, un, bon voyage!" Isso a cada minuto!

O pessoal de "elite" partiu às 10:00.  Quem ia fazer a prova em mais de 1:30 (nosso caso),  largaria a partir das 10:30. Após, por ordem de chegada, levas de 350 pessoas por vez. 

Chegamos lá cerca de 09:40, para prender o número, deixar as coisas no Guarda-Volumes, etc. E ficamos quase no final. Quase mesmo. Perto de largar, aproveitei e fui ao banheiro, cortei lugar e avancei de onde estava.

Partimos umas 10:50, por aí. Largada ao lado da Torre Eiffel (chato essa parte...rsrs), seguindo pela cidade. Ultrapassei muita gente, e poucas pessoas passaram por mim :-)

Segui bem, apreciando a cidade, nunca sem ninguém perto de mim, mas nunca no meio da multidão. Ótimo!

O Km 2 bateu com meu Polar, depois do 1 túnel, deu revertério, e fiquei cerca de 500m "adiantado" em relação a prova.

Clima em torno de 11o (média), sol apenas para constar, e lá fui eu. Ruas sem buracos, quase ninguém da organização (que foi muito boa): ia seguindo o pessoal, e só.

Percurso lindo.

Levei um gel da GU (Roctane) comprado na feira quando retirei o kit da corrida, que tomei antes da prova, sachês de mel, GU Chomps e uma bisnaga de energético.

Duas ladeiras brabas, e 3 pontos de hidratação.

Na 1a ladeira, cheguei a subir a 9,5 km/h, mas foi dose, resolvi trotar leve e até andar nelas, pra terminar a prova bem. Comi 4 balas GU (equivalente a 1 sachê). Isso antes do segundo ponto de hidratação.

1o ponto de hidratação (Km 5): água. Peguei uma.

2o ponto: água, torrão de açúcar, biscoito e laranja (Km 8,5). Usei 2 torrões, um biscoito e água. E o pessoal (voluntários na sua maioria, muitos adolescentes e crianças, uma coisa linda). Aliás, lindo é esse povo: pele alva, traços finos, cabelos lisos, olhos claros, e falando francês ficam ainda mais chiques.... rsrsrs

3o ponto: água, laranja e torrão de açúcar (Km 13). Usei 2 torrões e água, sempre.

Entre o Km 6 e 8, o negócio ficou ruim, as ladeiras castigavam e uma sombra se essas 10 milhas seriam viáveis.

Após o segundo ponto, com o açúcar (ou pelo efeito do GU, ainda não sei), me senti renovado, pronto para a metade final. Vou testar mais vezes esse efeito açucarado (irei subtrair do hotel uma boa dose de torrões de açúcar e testar em Salvador) para contar em seguida. Tive certeza que daria para terminar, SIM!

Na segunda ladeira, eu trotando beeeem de leve, e eis que lá em cima me aparece um ponto de apoio com som, pessoal motivando, gritando, e lá fui eu correr quase morrendo (rsrsrs).

O frio, após o início da corrida, passou geral, mas no Meudon, coberto de árvores, sem sol, bateu um frio, dedos das mãos incomodando, ainda mais que eu resolvi lavá-las para tirar o açúcar (e sem necessidade, pois não ficou pegajoso).

Muita gente andando.

Perto da chegada, uma descida monstruosa com vista linda para o parque, onde tive que segurar a velocidade (dava pra fazer, brincando, pelo menos 13 km/h), para não acabar de vez com as panturrilhas. E um pouco mais adiante, perto da entrada para a avenida do Palácio, uma banda (passei por três delas) tocando, adivinha? AQUARELA DO BRASIL !!!!!!! De ARREPIAR !!!!!!!!!!!!!!!

Isso, junto com o torrão (não sei qual ajudou mais) deu um UP incrível, aquela força extra, misto de orgulho, satisfação, vontade de concluir, agradecimento por estar naquela prova, tudo junto e ao mesmo tempo, entende? Hoje fui à Torre Eiffel e não senti a sensação daquela curva onde ouvi a banda tocando uma música do meu país, só pra dar uma idéia.

800 metros para a chegada, fui a 11 km/h, sol brilhando sem esquentar, PASSEI! 

Ganhei 1 litro de água com gosto estranho (salgada, estranha, mesmo). Peguei minha sacola com maçã, barra de proteína e chocolate, mais adiante a medalha. Deu trabalho entender como pegar a sacola que deixamos na largada, mas conseguimos.

Lá ao fundo, o Palácio de Versailles. Mas ele está na programação desta semana, não era o dia.

Olha, tinha gente de todos os níveis nessa prova. Junto de nós, um rapaz com uma camisa da Maratona de NY. Como disse, desde pessoas andando (e, convenhamos, 16K não são coisa de outro mundo), até Maratonistas e, com certeza, Ultra. Coisa eclética mesmo.

Ouvi francês, português, inglês, alemão, chinês, japonês, espanhol, tudo o que você imaginar. Uma torre de babel linda e fantástica!

Bem, quem ainda não fez uma prova no exterior, FAÇA! ONTEM! AMANHÃ! 

Pela prova, pela viagem, pelo conhecimento, pelo prazer de dizer: "Prova tal? Já corri".

Sim, seguinte: tenho contas a prestar com 2 médicos, os quais certamente me darão uma bronca entre moderada e severa. Mea culpa, mas aqui tenho algumas considerações a fazer:

1-) Estava treinando, quando doente, numa FC máxima entre 116 a 122%. Hoje, na prova, cheguei a apenas 102%, que é o normal quando treino bem. Ou seja, exigi o normal do  meu organismo.

2-) Quando Dr. Marcos, companheiro de corrida e quem me aconselhou a fazer os exames semana passada, me disse: "Minha última Meia foi no ano passado, esse ano só corri provas de 10K - e ele corre bem - e você acabou de fazer 2 Meias, ou seja, está com um condicionamento melhor que o meu e não conseguiu correr 4K, logo eu vi que algo não estava bem", eu refleti depois e pensei: "Hum, se estou embalado, vou confiar na memória do meu organismo, vamos ver se ele tem memória, ou uma vaga lembrança".

3-) O escorpião pediu uma carona ao sapo para atravessar o rio, que respondeu: "Nunca, você me dá uma picada e eu morro". 
E o escorpião: "Claro que não, se eu fizer isso, morremos todos!". 
E o sapo topou. No meio do caminho, sentiu uma picada, olhou pro escorpião e disse: "Você está louco? Agora vamos morrer os dois! Por que você fez isso?"
Resposta do escorpião: "Desculpe, é da minha natureza, tinha que fazer isso".

15/10 tenho consulta com minha segunda médica, que será informada desta prova, e da Meia Farol a Farol no dia anterior ;-).

Se tudo fosse fácil . . .

Ao infinito e além ! Sempre!





Coment·rios
3 Coment·rios

3 comentários:

  1. Priscila Lyrio01/10/2012 06:40

    Bien!!!!! Muito show!!!!! Parabéns! Poursuivre!!!

    ResponderExcluir
  2. Pô, demais...
    Que privilégio!!
    Parabéns, com o texto é como se tivesse assistido a corrida pela TV!
    Abraços, daniel

    ResponderExcluir
  3. João Quirino26/02/2014 13:11

    Por favor, gostaria de saber como você fez para encaminhar o atestado médico. É só uma frase, dizendo que o corredor está apto a participar, assinado por médico e indicação do CRM? O texto pode ser em português? Como encaminhar: há um espaço no site, há um e-mail? Outra coisa: é fácil o transporte público para voltar a Paris? Muito obrigado. João Quirino (jffquirino@uol.com.br)

    ResponderExcluir